terça-feira, 5 de abril de 2016

Curitiba ganha "Espaço Vivendo Simplesmente"

Quantas vezes você não desejou uma vida mais simples, menos complicada e mais alegre?
Quer deixar de sentir o peso nas costas e livrar-se da angústia no coração?
Isto é possível. Veja como:
Resgatar as coisas simples do dia a dia é parte do processo.
Tudo aquilo que faz bem para você e que te deixa renovado precisa ser priorizado.
Fácil não é, mas é possível.
Permita-se viver momentos sublimes, ligando-se a quem é muito importante – você mesmo.
Da simplicidade sai a felicidade, o equilíbrio e a auto estima. Remédios naturais para a ansiedade, medos e até a depressão.
Esta é a proposta do Espaço Vivendo Simplesmente, aqui em Curitiba: um lugar especial criado com muita alegria para você receber carinho, atenção e qualidade de vida!!!
Através de vivências e cursos voltados para o autoconhecimento, prosperidade, sustentabilidade, empreendedorismo, equilíbrio emocional, saúde e bem estar, grupos de meditação, aulas de yoga, palestras e conversas de roda, espaço para compartilhar ideias, serviços de Terapias Holísticas Complementares e Coaching.
Estas são as ferramentas. O mais importante é a humanidade envolvida em cada atividade, que faz toda a diferença.
“Faça da sua vida um momento especial, cheio de Esperança, Harmonia e Conhecimento; permita-se a isso.”
Tudo isso pertinho de você!!!!
Entre em Contato pelo fone 41 9841-3114
Veja o Cronograma de Atividades
Grupos de Meditação Segundas e quartas às 08:00 horas.
Yoga Segundas às 20 horas
Conversas de Roda Segundas às 10 horas e quintas as 15 horas.
Oficinas de Ho´oponopono Quintas às 20 hrs quinzenalmente
Oficinas Pathwork Terças às 20 hrs quinzenalmente
Terapias Vivenciais em grupo Consulte Calendário
Terapia Individual Agende Seu Horário
Cursos e Palestras Consulte Calendário
Terapia Individual via Skipe Consulte Calendário
Cursos Programados para os próximos meses:
Reiki Nível 1 15 de maio/16
Ansiedade Sob Controle e o Resgate do Poder Pessoal 17 e 19 de maio/16
Fito B Nível Básico 07 e 09 de Junho
Saber Dizer Não e a Arte de uma Comunicação Assertiva 14 e 16 de junho/16
Vivendo Simplesmente – O Resgate do Simples Para Uma Vida Mais Feliz 23 e 24 de junho/16
Na Busca do Si Mesmo, Como equilibrar Emoções e Sentimentos 07, 08, 14,e 15 de Julho/16

terça-feira, 29 de março de 2016

Petralhas x Coxinhas: a rotulação que destrói o diálogo

Professor Leandro Karnal comenta em rápidas palavras a famosa guerra entre os contrários no Brasil, entre petralhas e coxinhas...

domingo, 27 de março de 2016

Autodefesa energética, coerência e felicidade

Todos já passamos por aquela sensação horrível de ter nossa energia "sugada" por outra pessoa, certo?

Outras vezes, ao entrarmos em determinado ambiente, percebemos imediatamente nossa energia se esvaindo.

Casos assim são comuns, embora não devam ser considerados normais.

De fato, existem pessoas, seres espirituais e lugares potencialmente sugadores de energia.

Muita gente me pergunta sobre como podemos nos defender disso.

A resposta é fortalecer nosso sistema de autodefesa energética.

Antigamente, diriam seria algo como: melhorar nosso equilíbrio psíquico, mental e espiritual, reequilibrar nossa vida, etc.

Ok, sei que esse tema é bem complexo e, futuramente, posso aprofundá-lo aqui no Blog.

Hoje quero citar o que ensina um amigo espiritual - que aqui vou chamar de Sr. V. -, para melhorar nossa defesa energética.

Sr. V, diz que uma maneira eficaz de melhorar e fortalecer nosso sistema de defesa energética é através da Coerência.

Coerência?

Isso mesmo, afinal, nós somos aquilo que fazemos. Nossas atitudes revelam quem realmente somos.

Sr. V. explica que quando adotamos uma vida coerente, vivida e vivenciada de acordo com aquilo que acreditamos, pensamos e falamos, nosso sistema de autodefesa se fortalece. Obviamente, ficamos mais equilibrados.

Por exemplo, uma pessoa que se diz cristã e vive de acordo com os ensinamentos de Jesus é forte energeticamente. 

Uma pessoa que defende políticas públicas voltadas aos mais necessitados e que abre mão de parte do que possui para melhorar a vida dos pobres é coerente e tem forte sistema de autodefesa energética.

O contrário disso é a incoerência e, infelizmente, é mais fácil encontrarmos exemplos assim.

Gente que se diz cristão, mas é altamente preconceituoso com os irmãos que professam religiões diferentes.

Gente que defende governos "de esquerda" mas vivem como capitalistas selvagens, acumulando riquezas sem abrir mão de nada que tem para oferecer aos que necessitam.

Gente que posta mensagens de amor, compaixão e paz nas redes sociais e em seguida, em outra postagem, agride odiosamente quem tem opinião divergente da sua.

Que tal aproveitarmos esse começo de semana para refletirmos sobre isso?

Experimentemos vivenciar a coerência em nossas vidas.

Com certeza nos sentiremos mais felizes e ainda estaremos mais protegidos contra os sugadores de energia de que falamos no início desse texto.

Aranauan!!!

quarta-feira, 23 de março de 2016

Religiões afro e as causas do preconceito

Dados da Comissão de Combate à Intolerância Religiosa do Rio de Janeiro mostram que mais de 70% dos casos de ofensas, abusos e atos violentos registrados no Estado são contra praticantes de religiões de matrizes africanas.
A pergunta é: por que os adeptos da Umbanda, do Candomblé e de outras religiões de origem afro ainda são os mais atacados por conta de sua religião?
No ano passado veio à tona o caso da menina Kaylane Campos, de 11 anos, atingida por uma pedrada na cabeça, na Zona Norte do Rio, quando voltava para casa de um culto e trajava vestimentas religiosas candomblecistas.
Sem falar dos inúmeros terreiros incendiados no país, especialmente na região de Brasília.
Em recente reportagem, a BBC Brasil ouviu especialistas sobre as razões da hostilidade contra as religiões de origem africana.
Há duas explicações. Por um lado o racismo e a discriminação que remontam à escravidão e que desde o Brasil Colônia rotulam tais religiões pelo simples fato de serem de origem africana. Por outro, a ação de movimentos neopentecostais que nos últimos anos tem se valido de mitos e preconceitos para "demonizar" e insuflar a perseguição a umbandistas e candomblecistas.
A reportagem também aponta que mais de 70% das agressões são verbais e incluem ofensas como "macumbeiro e filho do demônio", mas as manifestações também incluem pichações em muros, postagens em redes sociais, além das mais graves que chegam a invasões de terreiros, furtos, quebra de símbolos sagrados, incêndios e agressões físicas.
Para Francisco Rivas Neto, sacerdote e fundador da Faculdade de Teologia com Ênfase em Religiões Afro-Brasileiras (FTU), baseada em São Paulo e a única reconhecida pelo Ministério da Educação (MEC) como formadora de bacharéis no tema, é impossível dissociar a intolerância do preconceito contra o africano, o escravo e o negro.
"Os afro-brasileiros são discriminados, tratados com preconceito, para não dizer demonizados, por sermos de uma tradição africana/afrodescendente. Logo, estamos afirmando que o racismo é causa fundamental do preconceito ao candomblé e demais religiões afro-brasileiras", diz.
Eu conheço pessoalmente mestre Rivas Neto e tenho por ele um imenso respeito e admiração. 

Concordo com sua tese de que o racismo é um dos principais fatores geradores de preconceito às religiões de origem africana. Tenho certeza, aliás, de que se o Candomblé tivesse vindo da Europa branca, por exemplo, não enfrentaria esse tipo de discriminação, nem mesmo de pastores neopentecostais.
Reflita sobre esse tema e, em silêncio com você mesmo, tire suas conclusões.

Axé!!!

terça-feira, 22 de março de 2016

Outono, seja bem-vindo em nossas vidas

Que a última colheita seja prudente.
Que vá embora o que não nos pertence, o que não nos serve, o que já secou.
Que o vento traga o frescor da liberdade aos nossos corações.
Que sobre o solo se formem raízes de nutrição e paz através do silêncio.
Quero me curar! Quero conhecer minha verdade.
Quero mergulhar no fundo do fundo do fundo da Terra, até encontrar-me com minha verdade.
Deixo ir o que tiver que ir... como as folhas secas das árvores, não resisto, apenas permito-me dançar com o movimento cósmico...
Segundo a Roda Medicinal Xamânica, o Outono representa a direção Oeste: é a direção da introspecção.
No Outono, surge o poder de desenvolvimento da força interior, da autossuficiência, da sabedoria para resolver as intempéries, desafios e dificuldades da vida.
O Outono representa, ao mesmo tempo, o desapego e a retenção.
É a pausa reflexiva antes da mudança, o intervalo entre dar e receber.
Permitimos que as folhas secas partam com o vento, mas as raízes permanecem.
É a lenta transição que nos prepara para o inverno.
Este momento do ano é profundamente curador.
Com o Sol se expondo menos à nossa visão, também internamente nos conectamos mais com as nossas sombras e assim aprendemos a reconhecer quais são os pontos necessários a serem transformados em nossa vida.
Por isso a lenta transição: aqui, analisamos tudo o que há de ser transformado, para que depois, com a sabedoria desenvolvida, saibamos metamorfosear os aspectos de nosso ser em novos aspectos.
Se há um símbolo feminino perfeito para o Outono, esse símbolo é o útero. O útero feminino, o útero da Mãe Terra. O espaço onde se gera. O escuro, profundo, nutritivo, silencioso.
Retiremos dessa estação as grandes lições da Natureza.
(Lua Sagrada | Julia Luandra)

Use a raiva a seu favor

A raiva é um sentimento muito poderoso.
Quem nunca lembrou de um episódio chato que aconteceu há muito tempo e sentiu a mesma raiva da pessoa e/ou situação como se aquilo tivesse acontecido cinco minutos atrás?
De fato, dentre todos os sentimentos, a raiva e sua derivação mais perigosa, o ódio, são os que mais grudam em nossa memória, tamanho o impacto que provocam em nossas emoções.
Repare que muitas vezes parece mais fácil se lembrar de algo que nos irritou e chateou do que de algo positivo de nossa história.
De fato, a raiva parece estar ligada a um aspecto da mente humana similar ao fogo: que de uma faiscazinha pode se expandir rapidamente com um poder devastador enorme e incontrolável. Quando se vê, tudo já virou cinza e pelo caminho acabam sendo destruídos objetos que nada tinham a ver com o problema inicial.
PRÓS E CONTRAS
Apesar desse aspecto destrutivo, a raiva é também um importante combustível da ação, pois nos faz reagir, retirando-nos da inércia para a tomada necessária de uma posição diante dos fatos desagradáveis. O poder mobilizador da raiva na dose adequada favorece várias situações que envolvem embates, como o esporte, por exemplo, uma vez que ativa o espírito de luta que mora em cada um de nós.
O problema, em geral, é a "turminha" que frequentemente acompanha a raiva: ira, ódio, mágoa, ressentimento, inveja, vingança, amargura, estagnação, obstinação.
O fato é que a raiva é uma energia que precisa ser direcionada para algum lugar, dentro ou fora, e se não for bem orientada pode machucar a todos.
A vingança, que pode parecer uma reação natural à raiva, é um paliativo que apenas pode trazer momentaneamente a sensação de alívio e dever cumprido, mas que no fim das contas gera mais dor, pois amarra o vingador ao vingado em um ciclo eterno de raiva, culpa e punição. Sempre que possível, devemos escolher fugir desse mecanismo que nos aprisiona em uma roda interminável.
DIRECIONANDO A RAIVA
É importante saber que não se deve negar a raiva. Se algo de ruim ocorre com nome e endereço sabidos, não adianta simplesmente agir como bonzinho, dizendo que está tudo bem.
A raiva, quando não manifesta, prejudica quem a sente. Ou seja, é preciso direcionar a raiva para o lugar correto. Isso não significa vingança e sim assertividade. Dizer e fazer o que deve ser dito e feito. Uma conversa esclarecedora mostrando os pontos em que se sentiu desrespeitado geralmente é útil. Além disso, outro recurso é o da reflexão sobre os aprendizados que aquele sentimento trouxe. 
Fonte: www.personare.com.br
Foto: phil21stcentury.files.wordpress.com

Dia Mundial da Água: preservar para viver


No dia 22 de março é "comemorado" o Dia Mundial da Água.

Mas será que há mesmo o que comemorar?

Como anda seu consumo e seu desperdício de água?

Pare. Pense. Preserve. Viva.